21/06/2012 09:18

Quantidade de visualizações: 1049

Rádio Sorriso com Assessoria

Imagem Arquivo.

Cerca de 300 famílias camponesas, sendo a maioria do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), vão resistir a um despejo previsto para acontecer a qualquer momento entre hoje e amanhã, dias 21 e 22 de junho, na fazenda Santa Rosa I, no distrito de Boa Esperança, município de Sorriso, interior de Mato Grosso, região da soja.

A área em questão é extremamente violenta, há registro de pistolagem.
O despejo foi autorizado pela Justiça de Sorriso no dia 22 de maio deste ano, mas ainda não teria sido executado por falta de policiais. O Governo do Estado, porém, mandou reforço policial, para a retirada dos sem-terra de lá.
“Pode acontecer o pior”, lamenta Marciano da Silva, da coordenação estadual do MST.

Esse assentamento, que originalmente não foi reivindicação do MST, atendeu a 300 famílias sem-terra, de fora do Movimento. Dessas 300, conforme o MST, devido à pistolagem, só 27 permaneceram na área, as outras saíram fugidas. Na região, essas 27 famílias são chamadas de “os bravos” que resistiram à bala.

O MST foi convidado a dar um apoio à luta dessas famílias que resistiram e hoje os 300 lotes estão novamente ocupados inclusive por famílias do MST.
O assentamento é fruto de um acordo entre o proprietário da fazenda e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). Acontece que o proprietário voltou atrás e não quer mais vender a terra.

“Já faz mais de 15 anos que essas famílias estão lá e já criaram cultura no local. Vamos resistir”, reafirma Marciano.