14/02/2018 06:25

Quantidade de visualizações: 371

G1/MT

Cinco pessoas ficaram feridas, entre elas um bebê de 6 meses, durante um tiroteiro na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Morada do Ouro, em Cuiabá, na tarde desta terça-feira (13). Segundo a Polícia Militar, os bandidos tentavam resgatar um preso que foi levado para a unidade após passar mal no Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC).

As vítimas foram levadas para o Pronto Socorro de Cuiabá. Segundo a PM, o bebê foi atingido por dois disparos, sendo um nas costas e em uma das mãos. A mãe da criança, que tem 22 anos, também foi baleada no braço esquerdo. Um outra mulher, de 32 anos, foi baleada no tórax e uma enfermeira, de 51 anos, foi atingida na perna.

De acordo com a Secretaria Estadual de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh-MT), um dos agentes penitenciários que fazia a escolta do detento tem 33 anos e foi baleado duas vezes em uma das pernas durante o confronto com os bandidos. Ele foi socorrido e passa bem.

Cinco pessoas ficaram feridas durante tiroteio na UPA Morada do Ouro (Foto: Leandro Agostini/Centro América FM)Cinco pessoas ficaram feridas durante tiroteio na UPA Morada do Ouro (Foto: Leandro Agostini/Centro América FM)

Cinco pessoas ficaram feridas durante tiroteio na UPA Morada do Ouro (Foto: Leandro Agostini/Centro América FM)

Segundo a Secretária de Saúde de Cuiabá, Elizeth de Araújo, uma enfermeira e um policial também foram atingidos durante o ataque.

"Os atendimentos na unidade devem ser suspensos. Já mandados outros funcionários para casa, porque estão todos abalados", disse a secretária.

Confronto ocorreu durante tentativa de resgate de preso em unidade de saúde (Foto: Leandro Agostini/Centro América FM)Confronto ocorreu durante tentativa de resgate de preso em unidade de saúde (Foto: Leandro Agostini/Centro América FM)

Confronto ocorreu durante tentativa de resgate de preso em unidade de saúde (Foto: Leandro Agostini/Centro América FM)

Ainda segundo a Sejudh-MT, o detento José Edmilson Bezerra Filho, de 30 anos, que recebia atendimento na unidade, não foi resgatado. Ele responde a vários processos judiciais, entre eles, homicídio. A escolta que fazia a segurança do preso foi reforçada até a conclusão do atendimento médico.