12/03/2018 20:56

Quantidade de visualizações: 234

Heverton Luiz - da redação

Um debate com o tema, “Necessidade de participação popular na elaboração e orçamentos públicos e implementação do orçamento participativo em Sorriso”, foi realizado na noite desta segunda-feira (12) nas dependências das promotorias de justiça.

A Promotora Fernanda Pawelec Vieira, disse em entrevista à Rádio Sorriso, que é necessária uma maior participação popular na fiscalização dos gastos públicos, ou seja, nos orçamentos. “Resolvemos chamar os vereadores, parte do executivo, para que possamos fazer uma proposta do ponto de vista da administração pública, porque atrai essa participação popular e traz pra junto do prefeito, para avalizar todas essas questões dos gastos, do ponto de vista da população e do Ministério Público é interessante porque podemos manter uma maior fiscalização desses gastos, dificultando qualquer tipo de corrupção”.

Existe uma ideia de implantar o orçamento participativo em Sorriso. “É necessário que exista uma lei, pode ser de iniciativa do poder legislativo, executivo ou uma lei de iniciativa popular”, disse a Doutora.

Segundo a promotora, o Ministério Público não consegue fiscalizar tudo sozinho. “Por mais que tenhamos boa vontade, estamos aqui hoje, não é nossa primeira tentativa de conversar com a população, queremos justamente ter trabalho, mas que nos ajudem a enxergar os problemas administrativos, e a população é isso, ajudar a fiscalizar e ajudar a direcionar os recursos, é pra isso que vai servir o orçamento participativo”.

O evento contou com a participação de vereadores, representantes de entidades, presidentes comunitários e representantes do executivo municipal.

Sorriso: Orçamento Participativo foi tema de debate nas Promotorias de JustiçaSorriso: Orçamento Participativo foi tema de debate nas Promotorias de JustiçaSorriso: Orçamento Participativo foi tema de debate nas Promotorias de JustiçaSorriso: Orçamento Participativo foi tema de debate nas Promotorias de JustiçaSorriso: Orçamento Participativo foi tema de debate nas Promotorias de Justiça