09/08/2018 15:53

Quantidade de visualizações: 632

OPERAÇÃO RED MONEY

Midia News


Dois homens foram presos em flagrante na quarta-feira (8), em Várzea Grande. Os mandados são relativos à Operação Red Money, deflagrada pela Polícia Civil.

Ainda foram apreendidos seis veículos, vasta documentação, dinheiro e cheques.

Os dois não tinham mandados da operação, mas foram encontrados em uma casa com seis veículos - sendo dois com registros criminais.

Com os suspeitos, ainda foram apreendidos documentos que os ligam, assim como a mulher de um deles, à facção criminosa Comando Vermelho, investigada na operação.

No imóvel, onde estavam os suspeitos, foram encontrados e apreendidos seis veículos, um caminhão Ford Cargo, carroceria de madeira, contendo, em sua carroceria, outro motor de veículo não identificado; o veículo VW/Gol vermelho, com adulterações constatadas por dois peritos criminais da Politec; um VW Voyage prata; uma moto Honda CRV preta; uma Honda/CG verde; uma Honda CRF vermelha e ainda uma bicicleta da marca Absolut, cor preta e detalhes alaranjados, também produto de crime (furto).

Apreensões

Ainda durante as buscas, os policiais localizaram maços de cédula de R$ 100, totalizando R$ 10 mil, supostamente proveniente da lavagem de dinheiro, além de outras quantias menores em dinheiro, vários cheques e comprovantes de transações bancárias com valores expressivos, como um saque no valor de R$ 66 mil, realizado no dia anterior à operação, 7 de agosto.

Foram apreendidas joias e relógios, encontrados em numa caixa de madeira, as quais pertenciam a mulher. Os policiais também apreenderam notebooks e documentos relativos a negociações de imóveis e veículos, sendo alguns de grande porte, como tratores e caminhões semireboques (carretas).

Os veículos foram encaminhados ao pátio do Fórum de Cuiabá, por estarem vinculados ao inquérito policial da operação.

Ambos os suspeitos foram autuados por receptação - duas vezes em razão da apreensão de dois veículos, sendo um VW/Gol, vermelho, e uma bicicleta de marca – e ainda pelo crime de uso de documentos publico falsos (CRLV de veículo, e duas cédulas de identidade com nomes diversos e fotografia da mesma pessoa).

No momento da prisão, um dos suspeitos estava sob monitoramento de tornozeleira eletrônica. Ele foi investigado na operação “Chacal”, do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), no ano de 2015, sobre uma organização criminosa que agia na prática de roubos, adulteração e receptação de veículos e maquinário, e ainda tráfico de drogas e crimes contra vida.

O flagrante foi lavrado pelo delegado da Derrfva, Marcelo Martins Torhacs, nos crimes de receptação, uso de documento públicos falsos e associação criminosa. O delegado representou judicialmente pela conversão em prisão preventiva, no crime de associação criminosa.

Os suspeitos foram encaminhados para audiência de custódia, no Fórum da Capital.