Sorriso FM 99,1

21/05/2019 14:36
Lida 895 vezes.

G1/MT

Uma estagiária denunciou um servidor da Prefeitura de Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, por assédio sexual. A vítima, de 23 anos, procurou a Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, Criança e Idoso de Várzea Grande (DEDMCI-VG), que investiga o caso. O servidor foi identificado como Sérgio Freitas da Silva, de 36 anos, superintendente da Controladoria-Geral da prefeitura.

Um boletim por assédio sexual foi registrado no dia 17 de maio. A Polícia Civil informou que um inquérito policial foi aberto pelo delegado Cláudio Alvares Sant'Ana.

A assessoria da Prefeitura de Várzea Grande disse que aguarda o momento em que o servidor, que é concursado, seja acusado formalmente. Disse que se a Justiça torná-lo réu, somente então determinará a abertura de um Processo Administrativo Disciplinar (PAD).

A jovem procurou a delegacia para denunciar os assédios, que teriam ocorrido em meados do mês de abril deste ano dentro do órgão da prefeitura.

Ela afirmou que Sérgio, que é o supervisor do estágio dela, ameaçou demiti-la da controladoria caso ela não saísse com ele.

A vítima, com medo de perder o emprego, aceitou sair com o supervisor. Ela afirmou à polícia que só aceitou porque estava com receio de ser demitida e que precisava muito trabalhar.

Depois de sair com Sérgio, a vítima relatou que o servidor teve outro comportamento: começou a passar as mãos na cintura dela, nos cabelos, na mão e no rosto, chamando a estagiária de 'meu amor'.

A Polícia Civil comentou que não passará mais detalhes por se tratar de 'uma ocorrência envolvendo a vida íntima da vítima'.

O secretário da Controladoria-Geral de Várzea Grande, Kleber Ferreira Ribeiro, disse, por telefone ao G1, que Sérgio estava de férias até esta segunda-feira (20).

Ainda conforme o secretário, a controladoria encaminhou o teor da denúncia e o boletim de ocorrência à Secretaria de Administração para averiguação.

"A prefeitura reuniu-se com os servidores para se posicionar sobre o suposto fato e dar apoio irrestrito à estagiária. O servidor [Sérgio] será direcionado a secretaria municipal de administração para que junto à comissão disciplinar possa exercer o direito do contraditório e ampla defesa", disse o secretário.

A estagiária foi liberada das funções nesta semana para dar esclarecimentos à polícia e receber a acompanhamento psicológico.

Veja também


Enquete
O que você pensa sobre o aumento de R$ 42 no salário mínimo previsto pelo Governo Federal para 2020?
  • Parcial